sábado, abril 29, 2017

Tenho um laboratório de presente. É um laboratório lindo, sibiloso e dócil como o vento de outono lavando o sol do sudeste. Sonoro e vivo como a brisa do mar que conheci criança e carrego no peito. Nele é sempre dia. É onde o minuto se expande, o tempo se curva e há uma certa reverência em nós para a experiência possível desse tempo novo. E cheira bem, o danado, às vezes jasmim, outras romã. Houve um dia que cheirava a dama da noite, mas foi por um instante, logo nos devolveu o cheiro, com menos apego do que de costume frente a um cheiro tão burguês. Controlar o tempo é um hábito mesquinho do mercantil. É expressão de poder e posse e o presente é uma entidade delicada e livre. O presente é o gozo de tudo. Então o que fazemos quando chegamos lá é o exercício de ver apenas o que existe, o que é, o que está sendo, nem o que foi, nem o que vai ser, nem o que poderia ter sido, nem o que gostaríamos que fosse. E nos permitimos o prazer de apenas ficar sendo.