sábado, abril 29, 2017

Tenho um laboratório de presente. É um laboratório lindo, sibiloso e dócil como o vento de outono lavando o sol do sudeste. Sonoro e vivo como a brisa do mar que conheci criança e carrego no peito. Nele é sempre dia. É onde o minuto se expande, o tempo se curva e há uma certa reverência em nós para a experiência possível desse tempo novo. E cheira bem, o danado, às vezes jasmim, outras romã. Houve um dia que cheirava a dama da noite, mas foi por um instante, logo nos devolveu o cheiro, com menos apego do que de costume frente a um cheiro tão burguês. Controlar o tempo é um hábito mesquinho do mercantil. É expressão de poder e posse e o presente é uma entidade delicada e livre. O presente é o gozo de tudo. Então o que fazemos quando chegamos lá é o exercício de ver apenas o que existe, o que é, o que está sendo, nem o que foi, nem o que vai ser, nem o que poderia ter sido, nem o que gostaríamos que fosse. E nos permitimos o prazer de apenas ficar sendo.

terça-feira, março 28, 2017

O trabalho de desamar é ao mesmo tempo como o das formigas e os de Hércules. À medida em que é digno, bestifica. Se de um momento sente-se o genuíno prazer de vencer o passo dado, aquele tão humano, tão dentro do que sabemos ser nosso possível, de outro apavora - como se houvéssemos acabado de presenciar o nosso próprio suicídio - que não tenhamos caído no poço fundo do corpo nu que nos visita fora de hora.

domingo, março 12, 2017

Nunca havia percebido como você se mostra ameaçador. Como essa sua cara cortada no miolo de si aparece dura e constrangedora naquele retângulo que abre espaço para a sua casa virtual. Não parecem boas vindas, parece "só existe eu". Sofri anos culpada por meu egoísmo, mas agora me diga, como não ser egoísta perto de alguém que derrama ego? Como não ser egoísta com alguém que demonstra amor com objetivos, nem que seja por defesa? Por medo? Por não elaborar mas entender que há algo errado? Amor que se cobra, o que se é?
As pessoas subestimam a correspondência de sentimentos.
Deixar de sentir afeto por alguém é muito pior que ser rejeitado.

segunda-feira, março 06, 2017

quando eu sair pra nunca mais voltar, vou te escrever, telefonar, para contar tudo o que eu vi, fotografei e não mostrei.

sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Abundância. Às vezes é possível compreendê-la sendo.
Gratidão. Um estado que se instala independentemente.
Paz. Uma construção necessária.

segunda-feira, dezembro 19, 2016

XII Serena face distanciando o meu desejo. Tão longe estás que já nem sei o que te assombra alga ou areia mar ou lampejo de desencanto. A minha boca emudeceu. Se retornando não a encontrares pensa no amor chama e soluço que se perdeu. Solto os cabelos e fico à espera. Mas sobre mim como na morte crescem as heras.
XII

O teu gesto de alegria
nunca será para mim

O teu conflito noturno
este sim
pousará na minha face.

domingo, dezembro 18, 2016

"Encheria minha alma com a carne. Encheria com alma a minha carne. Conciliaria em mim, finalmente, esses dois inimigos seculares..."

quinta-feira, dezembro 08, 2016

I

Amar um passarinho é coisa louca.
Gira livre na longa azul gaiola
que o peito me constringe, enquanto a pouca
liberdade de amar logo se evola.

É amor meação? pecúlio? esmola?
Uma necessidade urgente e rouca
de no amor nos amarmos se desola
em cada beijo que não sai da boca.

O passarinho baixa a nosso alcance,
e na queda submissa um vôo segue,
e prossegue sem asas, pura ausência,

outro romance ocluso no romance.
Por mais que amor transite ou que se negue,
é canto (não é ave) sua essência.

terça-feira, novembro 22, 2016

Começa o tempo na insuportável ternura
com que te adivinho, o tempo onde
a vária dor envolve o barro e a estrela, onde
o encanto liga a ave ao trevo. E em sua medida
ingénua e cara, o que pressente o coração
engasta seu contorno de lume ao longe.
Bom será o tempo, bom será o espírito,
boa será nossa carne presa e morosa.
- Começa o tempo onde se une a vida
à nossa vida breve.

terça-feira, outubro 11, 2016

Se de tudo fica um pouco,
mas por que não ficaria
um pouco de mim? no trem
que leva ao norte, no barco,
nos anúncios de jornal,
um pouco de mim em Londres,
um pouco de mim algures?
na consoante?
no poço?

quarta-feira, setembro 28, 2016

Odeio esse meu marte em libra.

domingo, setembro 25, 2016

XIV

Telhas, calhas
Cordas de luz que se fizeram palavra
Alguém sonha a carne da minha alma

Ecos, poço
O esquecimento perseguindo um corpo
Aqui me tens entre a vigília e o encanto

Cativa da loucura
Perseguindo o louco.

quarta-feira, setembro 21, 2016

1

Não vale a pena
Fazer um gesto
Não se resiste
Ao Deus atroz
Que aos próprios filhos
Devora sempre.

Colhamos flores.
Molhemos leves
As nossas mãos
Nos rios calmos,
Para aprendermos
Calma também.

Girassóis sempre
Fitando o sol,
Da vida iremos
Tranquilos, tendo
Nem o remorso
De ter vivido.

terça-feira, setembro 06, 2016

Seasons came and changed the time
When I grew up I called him mine
He would always laugh and say
"Remember when we used to play"


Saudades de quando eu ainda tinha você e quando meu mundo carecia, faltava e não convinha, você era a minha utopia

Só isso, minha transcendência do marasmo, minha impossibilidade ressignificada, meu campo do possível

Saudades de quando eu tinha você, meu fade out, minha fortaleza desgovernada, uma pequena varanda nos dias quentes de tanto sol. E era um ar puro como o ar das trevas, e eu já sabia, um vento sibiloso no carretel das noites

Aquele portal. Era isso. Um portal

Era você de quem eu me desterrava, de quem eu não suportava minha agonia. Meu vento do leste no pôr do sol vermelho da rude cidade que se abre em leque para o nada

Me perguntava - tu é de prosa

Eu era longa, macilenta, movediça. E tinha medo. Porque você tinha aqueles olhos de cobra, despertava umbigo, desfazia serração no meu ventre

E ia embora na caatinga, na mata atlântica, na amazônia, no cerrado, haste em punho cenho franzido - era ibérico? - nunca soube

Provável que não, era carvalho, era doce como o céu lilás das dezoito horas daquela cidade que perdia nossos passos em dois mil e cinco e eu nada podia fazer - eram os aviões

O destino verborrágico e eu assistia. Dentro. Antes. Eu sabia, todas as noites em que eu não podia, sem forças, sem ganas, sem brios, eu era ali em umas mandingas e eu já sabia, do verde daquela lagoa, do cabelo curto dela, daquele monte de letra gasta naquela tela numa tinta japonesa no hall do apartamento velho do centro no dia de sol em copacabana, eu sabia do tamanho que me sobrava, do tamanho que eu não fazia

E você? Umas tardes úmidas te bastam. Um pé novo, um cheiro de talco - minha letra desgastada umas duas horas de dezenove anos que eu te via vindo pela escada com uma pasta aprendendo a ser, eu ainda nem era

Aquele corredor - um no ar patético piscava - um brasil acontecendo distante em umas frequencias apagadas - um registro e um luto - tensão fina e muda - minha espinha na parede - volte - são apenas tópicos - nunca foi ciência

E o que foi do tempo, do lodo das atitudes, do breu dos passos dados, das heras no alto muro da memória? uma hipótese: eram o futuro. Um sino rouco que toca ao longe, a sina da vida que podia ter sido e que não foi.

Mas já amanhã esqueço. É que hoje - hoje - são duas horas da manhã e o que eu tenho já não me basta.


06/03/14 Dom. 01:53

domingo, agosto 28, 2016

Never mind, you'll find someone like me.
And another one bites the dust
Oh why can I not conquer love?
And I might have thought that we were one
But, I wanted to fight this war without weapons.

Sem muita poesia eu só queria te dizer que você ignora completamente que perdeu o melhor amor que poderia ter.

terça-feira, agosto 23, 2016

You did not break me
I'm still fighting for peace.

 Revi as fotos que você tirou de mim, meus olhos parecem sinceros. Então não fui eu quem nunca esteve ali e a verdade aparece simples e sutil: eu passaria as piores coisas com você, por você, eu jamais te abandonaria. Foi uma exaustão e uma liberdade. Não fui eu quem deixou de amar, não fui eu quem torceu os fatos, quem silenciou as demandas, não fui eu. Refiz a amizade com o meu peito: eu sei amar. De meus olhos saíam um raio bonito e hoje sei que é porque você olhava para mim. Revi suas fotos, seu raio voltava para o seu dentro, você sempre esteve dentro de si, talvez pouco te importava se eu te olhasse. De seu olhar saia seu próprio nome e do meu um ser desarmado, ainda que já não mostrasse os dentes ao sorrir. Às vezes me pergunto, desde quando meus dentes se ausentaram de meu sorriso? Quando começou? Sei que agora voltaram, agora partidos, agora amarelos, agora já no fim da festa bêbados sujos e cansados, voltaram, e dançam, meio perdidos, mas dançam com a leveza com que dançavam quando criança, quando através da lente da máquina fotográfica eu via meu pai, meus colegas da faculdade, a Bia, a Ana Paula ou a Samara. Mas, veja, dançam ainda dentro de um aquário, dentro de uma fortaleza, por trás da lente que separa a verdade da memória e encaram teimosos o espetáculo da resiliência. Já não nego a dor porque entendi que não há do que ter vergonha, não fui eu, eu estava lá.

terça-feira, agosto 16, 2016

Abri demais minha casa, dei tanta festa, tanta festa, que meu corpo ainda vai pulsar bêbado sob o silêncio por muitos dias. Agora é hora de arrumar a bagunça, limpar tudo, preparar a casa para receber a vida nova que chega clara como o sol e devagar como o caminhar preguiçoso de um gato à tarde. Meus dias findam e é sempre aquela luz que resta quando o sol se põe. As noites não vão ser de brilho e gala, mas de uma glória anônima. Apenas as flores no jardim, o vento que entra, o gato que ronrona serão minhas testemunhas.

domingo, julho 17, 2016

la semilla del sueño empieza a romperse

"Caminante no hay camino, se hace camino al andar..."

sábado, julho 09, 2016

mea culpa

a verdade é que sempre há algo para aprender. não me entristeci comigo, mas percebi que fui extremamente hipócrita por não perdoar, há alguns meses, uma amiga que destruiu minha chaleira. aceitei que me desse uma exatamente igual. havia motivos, além do apego, mas também esses motivos não importam. perdoar apenas a si mesmo não é evolução. é egoísmo. perceber isso, pelo custo de uma garrafa e uma exposição é, basicamente, de graça. me sinto grata, atenta e pronta para, na próxima oportunidade, perdoar, aceitar a menor oferta e praticar realmente a generosidade. a não ficar no limite da gentileza: não reclamar, não sentir raiva de quem estraga algo seu, é muito pouco. posso e preciso ser ainda mais que isso. manda mais. manda ver. <3

carpe diem

Explodi uma garrafa de vidro, linda, que trouxe de Barcelona. Se fosse, talvez, há um ano, eu estaria triste, ou com raiva, ou sofrendo a perda. Hoje, senti meu peito cheio de gratidão pela oportunidade de perceber na prática que tenho menos apego, que deixo a vida fluir, que erro, que erro de novo, que aprendo às vezes. Que é apenas, apenas, somente, uma garrafa, e que sou finalmente capaz de perceber - e viver - isso, que não sou mais aquele sujeito que fui um dia, que não foi Barcelona que explodiu, que virão outras garrafas, talvez menos lindas e que não importa. Todo esse sentimento maravilhoso pelo custo de uma garrafa, é, definitivamente, uma pechincha. Manda mais. Manda ver. <3