sexta-feira, junho 10, 2005

Dor no ombro. Um monte de cabelos mutantes - como as células de um quelóide, foi a explicação da dermatologista para os cabelos pichains espalhados pela minha cabeça - no chão por toda a casa. Um livro 13 páginas mais lido e pela milésima vez abandonado, apesar de bastante amado. Sobrancelha refeita. Unha serrada. Leite tomado. Ombro doído da cadeira ruim. Dedo dormente - ou talvez como diga a Bia: desmentido, e eu acho ótima a idéia de "desmentir um dedo". Pensando no diacho do sapato preto que só tinha 36 e 39, 37 tinha, mas numa cor terrível. Avaliando algumas adolescências e concluindo que são todas mesmo meio iguais, ainda que difiram em algum aspecto, são sempre montanhas russas insolucionavelmente alucinadas. Com culpa de ter tomado a tal da metade do milk sake de ovomaltine. O canto da boca sangrando de tanto dente nele. Um passeio descompromissado porém revelador, pela internet. Uma ansiedade, uma dúvida, uma felicidade, muitas dívidas. Uns galos já começando a festa do dia 10 de junho. E uns 3 Kilos de insônia.

Um comentário:

Danilo disse...

Adicione aos 3 kilos de insonia uns 5 ou 6 de saudades...